Queremos continuar crescendo, sempre atentos às oportunidades do mercado. A nossa visão é atingir 4,7 GW de capacidade de geração de energia até 2023.
Estamos desenvolvendo novos empreendimentos que irão contribuir com o fornecimento de energia segura e competitiva para o país. Esses desafios representam alguns dos nossos principais valores: resiliência, colaboração, coragem e capacidade de assumir riscos com responsabilidade.

Conheça os nossos projetos:

Projeto Integrado Azulão-Jaguatirica II

O projeto integrado Azulão-Jaguatirica II foi um dos vencedores do Leilão de energia para suprimento a Boa Vista (RR) e localidades conectadas, realizado em 2019 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Com investimento de R$ 1,9 bilhão, o projeto permitirá o desligamento da capacidade de geração a diesel, com consequente redução de custos de geração e de emissões. A expectativa é reduzir as emissões de CO2 em 35% no Estado, o que representa 180.000 ton/ano a menos de CO2 lançados na atmosfera. As emissões de NOx serão reduzidas em 99%. Espera-se ainda redução no custo de geração do Sistema Isolado de Roraima, único estado da federação fora do sistema elétrico integrado do país. O projeto fortalece nossa cultura pioneira, que implementou com sucesso o modelo Reservoir-to-wire (R2W) no Complexo Parnaíba.

Entenda o projeto

A usina Jaguatirica II está sendo construída na cidade de Boa Vista (RR) e vai gerar cerca de 117 MW de energia elétrica a partir do gás natural proveniente do campo de Azulão, no Amazonas. A energia gerada pela Eneva vai atender cerca de 70% do consumo de todo o estado a partir de 2021. Isso significa que todas as residências e estabelecimentos comerciais de Roraima serão atendidos.

Conheça um pouco mais:

 

Campo de Azulão (Amazonas)
  • Produção de gás natural
  • Terminal de Liquefação
  • Tancagem de GNL
Transporte Terrestre
  • Transporte Terrestre de GNL em tanques criogênicos do Campo de Azulão à UTE (1.100 km de rodovia pavimentada)
Jaguatirica II CCGT (Roraima)
  • Tancagem de GNL
  • Unidade de regaiseficação de GNL
  • Usina termelétrica

Projeto Parnaíba V

O projeto Parnaíba V, no Complexo Parnaíba (MA), foi um dos vencedores do Leilão de energia A-6, realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) em 2018. A usina é o fechamento de ciclo da Parnaíba I e vai acrescentar mais 385 MW ao nosso portfólio. Por ser uma usina de ciclo combinado, a Parnaíba V vai utilizar o vapor gerado a partir do calor produzido no processo de geração da usina Parnaíba I, não necessitando de gás adicional para geração de energia. Na prática, esse modelo representa a geração de energia segura e mais barata para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

Como funciona o ciclo combinado?

De forma simplificada, no ciclo combinado o vapor gerado na turbina a gás é utilizado para aquecer a água e gerar vapor d´água. Este vapor é utilizado para mover uma turbina. Com isso, geramos mais energia sem utilizar nenhuma molécula adicional de gás. Uma forma segura e eficiente de geração.

Projeto Parnaíba VI

Um dos vencedores do Leilão de energia A-6 realizado em 2019, o projeto Parnaíba VI também é uma usina de ciclo combinado e vai utilizar o vapor gerado a partir do calor produzido no processo de geração da usina Parnaíba III, não necessitando de gás natural adicional para geração de energia. Parnaíba VI vai acrescentar mais 92 MW ao nosso portfólio e também vai representar uma energia segura, competitiva e mais barata para o Sistema Interligado Nacional (SIN). A usina será construída a partir de 2022.

Usina Parnaíba III que será ampliada com a contrução de Parnaíba VI
Usina Parnaíba III que será ampliada com a contrução de Parnaíba VI